Início Sem Categoria ONU se diz preocupada com violência nas eleições brasileiras

ONU se diz preocupada com violência nas eleições brasileiras

Comentários desativados em ONU se diz preocupada com violência nas eleições brasileiras
0
822

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos emitiu declaração, na sexta-feira (12), na qual manifesta preocupação com a violência nas Eleições 2018. A Organização das Nações Unidas (ONU) deixou claro que está “profundamente preocupada” com a situação do país e pediu para que os candidatos repudiem as agressões que estão ocorrendo no Brasil. Vale lembrar que foi divulgado levantamento inédito realizado pela Agência Pública em parceria com a Open Knowledge Brasil que revelou ter havido 71 ataques em 10 dias no país, praticados por seguidores do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro.

No comunicado, a porta-voz da ONU Ravina Shamdasani apela para que as diferenças sejam respeitadas.”Condenamos qualquer ato de violência e pedimos investigações imparciais, efetivas e imediatas sobre tais atos”. “O discurso violento e inflamatório dessas eleições, especialmente contra LGBTI, mulheres, afrodescendentes e aqueles com visões políticas diferentes, é profundamente preocupante, especialmente dado os relatos de violência contra tais pessoas”, disse Ravina.

Perseguição a Haddad

Na quinta-feira (11), Fernando Haddad e a Igreja Católica foram alvo de agressões de um militante pró-Bolsonaro. O eleitor raivoso chegou a perseguir a comitiva do candidato do PT com um carro em alta velocidade. “Um ativista do Bolsonaro começou a ofender a Igreja Católica. Nós nos retiramos da CNBB, onde a entrevista ia ser concedida, e ele começou a ofender a Igreja chamando de igreja comunista, de igreja gay, coisas completamente sem sentido”, revelou Haddad.

Ainda segundo Haddad, o homem colocou outras pessoas em risco durante a perseguição de carro. “No trânsito até o hotel, onde nós passamos a fazer a coletiva para evitar transtornos, ele seguiu numa 4×4 a nossa comitiva e tentou realmente furar a comitiva, fazendo gestos, em alta velocidade, para tentar interceptar os nossos carros”, contou.

O eleitor raivoso de Bolsonaro foi contido pela polícia e por seguranças do hotel onde Haddad estava hospedado, em Brasília.

Apelo aos candidatos

No comunicado de quinta, a representante da ONU também fez um apelo para que os candidatos se manifestem publicamente para repudiar as agressões e violência, o que Haddad já vinha fazendo desde o início. “Pedimos a líderes políticos e aqueles com influência a publicamente condenar qualquer ato de violência durante esse período eleitoral delicado, e a chamar a todos os lados para que se expressem de forma pacífica e com o total respeito pelo direito dos demais”, disse Ravina.

Um dos casos que mais chocaram o país foi o assassinato do mestre de capoeira Moa do Katendê, de 63 anos. Ele foi morto com 12 facadas, na madrugada de segunda-feira (8), por um apoiador de Bolsonaro, em um bar de Salvador (BA). Para o candidato do PSL, por sua vez, não há nada que ele possa fazer em relação ao que ele chamou de “excessos”.

Segundo Bolsonaro, que tem uma campanha baseada no ódio e nas fake news, “se um cara lá que tem uma camisa minha comete um excesso, o que tem a ver comigo? Eu lamento, e peço ao pessoal que não pratique isso, mas eu não tenho controle”. Ainda de acordo com ele, os atos de violência são um “movimento orquestrado forjando agressões” para prejudicá-lo.

Da Agência PT de Notícias, com informações do EM.com.br

Carregar artigos semelhantes
Carregar mais em Sem Categoria
Fechado para comentários

Veja também

Padrão Bolsonaro de comunicação desorienta a mídia tradicional

O jornal O Estado de S.Paulo demite uma cronista por ter criticado as propostas do então c…