Início Sua Opinião Por que Moro e Gebran não se irritam com libertação de Henrique Alves? E a Globo não fala nada?

Por que Moro e Gebran não se irritam com libertação de Henrique Alves? E a Globo não fala nada?

Comentários desativados em Por que Moro e Gebran não se irritam com libertação de Henrique Alves? E a Globo não fala nada?
0
4,305

Este País é mesmo engraçado, não é? No último domingo (8), houve um verdadeiro escarcéu da Globo News, com comentarias à beira de um ataque de nervos porque um juiz determinou a libertação de Lula. Acionaram dois juízes de folga/férias para, rapidamente, mandar a Polícia Federal aguardar e enrolar enquanto agiriam para não acabar com a Lava Jato, mantendo Lula preso.

Os outros meios de comunicação abriram fogo contra o juiz de plantão, chamando-o de plantonista como forma de desqualificá-lo: “Onde já se viu um plantonista liberar um preso desse jeito?”.

Engraçado, essa mesma indignação, preocupação e escarcéu não foram vistos ou manifestados em rede nacional quando a ministra Laurita Vaz, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), durante plantão em 2017, mandou para casa o ex-médico ginecologista Roger Abdelmassih, condenado a 181 anos de prisão por 48 estupros de 37 de suas pacientes. Ninguém questionou o plantonista nem a sua “irresponsável ação”.

Quando Henrique Eduardo Alves (MDB), o ex-presidente da Câmara dos Deputados e ex-ministro de Temer, envolvido até os dentes em desvios de dinheiro da construção da Arena das Dunas, em Natal, no Rio Grande do Norte, onde ele foi governador, é solto por um juiz, ninguém fala nada.

Nenhum jornal, telejornal, âncoras ou comentaristas disseram que isto vai acabar com a Lava Jato.

O juiz Sérgio Moro não parou suas férias em Portugal para reclamar, como fez quando da concessão de habeas corpus para Lula no último domingo (8). O Gebran, tão vigilante contra Lula, nem se pronunciou. Por que dois pesos e duas medidas?

Fica cada vez mais claro que o Poder Judiciário está em conluio com o Poder Executivo e com os meios de comunicação, Globo, em especial, trabalhando firmemente para que Lula não seja candidato à Presidência da República. Todas as máscaras caíram. Nem se quisessem, conseguirão mais disfarçar a parcialidade da Justiça nestes casos.

Eles têm medo de que Lula solto ganhe as eleições presidenciais e ponha um fim em todas estas barbaridades que estão fazendo contra os pobres, contra a sofrida classe média de nosso país e contra a soberania nacional, entregando nossas riquezas (Pré-Sal, Embraer, Petrobras etc.) a multinacionais norte-americanas.

Revogar a Reforma Trabalhista, revogar as privatizações, que não foram venda, mas sim doações a grandes grupos internacionais, não permitir uma reforma da Previdência que impeça as pessoas de se aposentarem, recuperar o SUS, aumentando os investimentos em saúde pública, investir em educação e pesquisa, fazer o Brasil voltar a ser protagonista no mundo e deixar de ser um país abandonado pela comunidade internacional. Tudo isto, só Lula presidente pode garantir e fazer, nenhum outro candidato tem condições políticas e morais para tanto.

De antes do mensalão, há dez anos, até hoje esmiuçaram e esmiúçam cada ato e cada ação feita por Lula e nada de errado foi encontrado, mas o prenderam de forma irregular e não o deixam soltar. Por isto, nossa luta continua.

Cada um que vê a soltura de Henrique Alves e não reage será que percebe que foi usado como massa de manobra ao aceitar o discurso fácil contra Lula? Porque enquanto xingam o Lula, Temer e sua quadrilha, o Judiciário e a mídia se esbaldam nos recursos públicos que deveriam ser usados para melhorar a vida da população brasileira e hoje só melhoram a vida deles próprios.

É preciso olhar e ver. É preciso pensar o porquê das coisas. É preciso dizer e desenhar para alguns poderem entender. Lula Livre, Lula Inocente, Lula Presidente!

Carregar artigos semelhantes
Carregar mais em Sua Opinião
Fechado para comentários

Veja também

Imprensa mundial repercute decisão da ONU sobre direitos políticos de Lula

A decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU, de acolher pedido liminar para que o Estad…