Início Categorias Cidades Parque da Juventude em São Paulo passa a se chamar Dom Paulo Evaristo Arns

Parque da Juventude em São Paulo passa a se chamar Dom Paulo Evaristo Arns

Comentários desativados em Parque da Juventude em São Paulo passa a se chamar Dom Paulo Evaristo Arns
0
3,812

O complexo cultural, recreativo e esportivo, conhecido como Parque da Juventude, na zona norte de São Paulo, agora passa a se chamar “Parque da Juventude Dom Paulo Evaristo Arns”. A homenagem ao arcebispo de São Paulo foi feita pelo deputado estadual Luiz Fernando (PT) por meio de projeto de lei, aprovado pela Assembleia Legislativa de São Paulo e sancionado pelo governador Márcio França na última sexta-feira (8) – Lei 16.761/2018.

“Trata-se de um homem muito à frente de sua época, que revolucionou a igreja com suas ações, priorizando a periferia pobre e lutando pelos direitos humanos. Com muita coragem, denunciou as arbitrariedades, torturas, mortes e desaparecimentos daqueles que se posicionavam contra o regime militar. Portanto, é uma homenagem emblemática colocar o nome do cardeal Arns em um local que foi palco de uma afronta aos direitos humanos, o famigerado ‘massacre do Carandiru’”, diz Luiz Fernando.

O Parque da Juventude substituiu o Complexo Penitenciário Carandiru por uma área de lazer e entretenimento ao ar livre. O presídio, inaugurado em 1956, durante 46 anos foi o maior da América Latina e chegou a alojar mais de oito mil presos. O equipamento também foi cenário do famoso massacre de 111 presos durante uma rebelião em 1992, fato marcante que levou à desativação do presídio, parcialmente demolido em 2002.

Em 2007 foi concluído o projeto arquitetônico do parque, que contemplou as três grandes áreas hoje existentes: esportiva, central e institucional. O equipamento possui ampla área verde, instalações para prática de esporte, lazer e entretenimento para todas as idades, espaço canino e local para a realização de shows e eventos.

Além disso, foram mantidos grandes referenciais históricos da época em que o espaço abrigou o Complexo Carandiru, como muralhas e ruínas de celas do presídio; e a oficina de trabalhos manuais transformada no ginásio do parque e que abriga hoje uma academia. Os pavilhões 4 e 7 foram transformados em duas grandes Escolas Técnicas (ETECs).

Biografia – Dom Paulo Evaristo Arns nasceu em Forquilhinha (SC) e foi nomeado arcebispo de São Paulo em outubro de 1970, aos 49 anos. Sua história é marcada pela luta contra a ditadura militar, nas décadas de 1960 e 1970, e pela defesa dos direitos humanos. Com formação em filosofia e teologia, escreveu 56 livros, entre os quais “Brasil: Nunca Mais”, um projeto conduzido de forma clandestina entre os anos de 1979 e 1985, desenvolvido pelo Conselho Mundial de Igrejas e pela Arquidiocese de São Paulo, que retrata as torturas e outras graves violações aos direitos humanos durante a ditadura militar brasileira.

Entre outros episódios de sua trajetória, destacam-se sua atuação contra a invasão da Pontifícia Universidade Católica (PUC), comandada pelo então secretário de Segurança Pública de São Paulo, coronel Erasmo Dias, em 1977, e o planejamento da operação para entregar ao presidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter, uma lista com os nomes de desaparecidos políticos.

Em março de 1973, presidiu a Celebração da Esperança, em memória do estudante Alexandre Vannucchi Leme, morto pela ditadura. No ano seguinte, acompanhado de familiares de presos políticos, apresentou ao general Golbery do Couto e Silva um dossiê relatando os casos de 22 desaparecidos.

Em outubro de 1975, celebrou na Catedral da Sé o histórico culto ecumênico em homenagem ao jornalista Vladimir Herzog, morto pelo regime militar. Anos depois, defendeu o voto popular na campanha “Diretas, Já”.

Carregar artigos semelhantes
Carregar mais em Cidades
Fechado para comentários

Veja também

Comissão especial retoma nesta quarta votação do projeto Escola sem Partido

No fim da tarde de ontem (20), foi suspensa a reunião da comissão especial da Câmara dos D…