Início Categorias Cidades Doria vira réu em processo de PPP da iluminação pública de São Paulo

Doria vira réu em processo de PPP da iluminação pública de São Paulo

Comentários desativados em Doria vira réu em processo de PPP da iluminação pública de São Paulo
0
1,448

O ex-prefeito de São Paulo e pré-candidato ao governo do Estado João Doria (PSDB) virou réu em ação popular que pede a suspensão da Parceria Público-Privada (PPP) sobre os serviços de manutenção do sistema de iluminação da capital.

Na última segunda-feira (9), o juiz Alberto Alonso Muñoz suspendeu o contrato após a denúncia de pagamento de propina para direcionar o edital de licitação. A liminar também vetou a Prefeitura de realizar qualquer pagamento do contrato. As evidências surgiram em áudio divulgado pela rádio CBN.

As PPPs têm sido alvo de diversas ações. Em Diadema, por exemplo, o vereador Josa Queiroz (PT) apresentou o Projeto de Lei 010/2018, aprovado pela Câmara e aguardando sanção ou veto do prefeito, que prevê mecanismos de controle social e transparência em Parcerias Público-Privadas (PPPs) com o poder público.

As PPPs estão sendo utilizadas em diversas cidades do País. É uma nova modalidade que tem sido utilizada em diversas áreas como iluminação, coleta de lixo, transporte público e muito mais. Os contratos entre prefeituras e empresas do setor privado variam de acordo com a modalidade. Em Diadema, por exemplo, a PPP da iluminação tem vigência de 25 anos e um contrato de 45 milhões de reais.

De acordo com o juiz, a denúncia é grave e leva a crer que o consórcio FM Rodrigues/CLD venceu a disputa depois de fazer pagamentos ilícitos a uma servidora. O áudio indica que Denise Abreu, ex-diretora do Departamento de Iluminação da Prefeitura de São Paulo, teria recebido propina para favorecer o consórcio.

O custo mensal da manutenção do serviço é de R$ 30 milhões para o município e o valor global do contrato é de R$ 7 bilhões. Segundo o juiz, as medidas adotadas pela Prefeitura são insuficientes já que os pagamentos mensais continuam mantidos, o que viola “os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade e eficiência, que presidem o funcionamento da Administração Pública”.

A ação popular foi proposta por cinco pessoas: Marcelo Ferraro, Gisele Agnelli, Rogério da Silva, Allen Ferraudo e o advogado Paulo Leme. O Ministério Público opinou pela concessão da liminar. Se julgada procedente a ação, Doria, a Prefeitura de São Paulo e as empresas envolvidas podem ser condenados a reparar eventuais danos decorrentes em função do contrato.

Crédito da foto: Fabio Arantes/Secom

* Com informações da RBA

 

Carregar artigos semelhantes
Carregar mais em Cidades
Fechado para comentários

Veja também

Travesti é assassinada a facadas sob os gritos de ‘Bolsonaro vai matar viado’

A população LGBTI+ do ABC acordou na segunda-feira (22) com a notícia de um assassinato br…