Início São Bernardo do Campo Após seis meses, ocupação do MTST deve ter desfecho positivo para as mais de 8 mil famílias

Após seis meses, ocupação do MTST deve ter desfecho positivo para as mais de 8 mil famílias

Comentários desativados em Após seis meses, ocupação do MTST deve ter desfecho positivo para as mais de 8 mil famílias
0
8,118

A ocupação do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) em São Bernardo do Campo está completando seis meses. De acordo com lideranças do movimento, as negociações com o governo do Estado estão próximas de um desfecho positivo para as famílias.

Foram mais de 180 dias de resistência, uma caminhada até o Palácio dos Bandeirantes, seis marchas até a Prefeitura de São Bernardo e outras duas até a sede da construtora MZM, empresa dona da área ocupada pelo MTST.

Na primeira semana da Ocupação Povo Sem Medo, em 2 de setembro do ano passado, eram 500 famílias. Três meses e meio depois, o acampamento somava mais de 8 mil famílias lutando por um teto.

No fim de 2017, após uma reunião com o Grupo de Apoio às Ordens Judiciais de Reintegração de Posse (Gaorp), ficou acertado que as famílias seriam cadastradas em programas habitacionais do Estado.

Faltando menos de 30 dias para o prazo estabelecido no acordo, os líderes do movimento estão confiantes em uma solução para as famílias acampadas.

Integrante da Coordenação Nacional do MTST, Josué Rocha afirmou que o Estado apresentou três áreas e, até o início de abril, sairá uma resposta definitiva o destino destas milhares de famílias.

Andreia Barbosa, líder da Ocupação Povo Sem Medo de São Bernardo, destaca que o sentimento das famílias na ocupação é de esperança. Ela lembrou que a luta por moradia e justiça social valeu todos os esforços ao longo dos últimos seis meses. “A resistência dos moradores valeu a pena, apesar da falta de diálogo com o prefeito Orlando Morando, do PSDB”, diz Andreia.

Josué Rocha disse que, mesmo com o prefeito Orlando Morando trabalhando contra os moradores e pela reintegração de posse da área, o movimento saiu vitorioso. “Temos de deixar bem claro que a atitude do prefeito Orlando Morando não foi digna de um chefe de Executivo. Ele sempre tratou a ocupação como caso de polícia e não como uma questão social”, ponderou Rocha.

Pelo acordo firmado com o Gaorp, no fim de 2017, as famílias permaneceriam no terreno por mais 4 meses, sem risco de um pedido de reintegração de posse.

Para coordenadores do MTST, esse acordo só foi possível graças à resistência dos moradores que, mesmo com a possibilidade de reintegração de posse da área, mantiveram-se firmes no acampamento.

Carregar artigos semelhantes
Carregar mais em São Bernardo do Campo
Fechado para comentários

Veja também

Lula estreia como comentarista de futebol do Papo com Zé Trajano

Torcedor apaixonado pelo Corinthians, o ex-presidente Lula fez ontem (18) sua estreia como…