Início São Bernardo do Campo Investigação do MP descobre ramificações de corrupção no governo Orlando Morando

Investigação do MP descobre ramificações de corrupção no governo Orlando Morando

Comentários desativados em Investigação do MP descobre ramificações de corrupção no governo Orlando Morando
0
4,781

A partir de uma conversa em grupo de mães do WhatsApp, o Ministério Público (MP) deu início a uma ampla investigação de corrupção na Secretaria de Gestão Ambiental (SGA), do governo Orlando Morando (PSDB). Pelo que já se apurou e de depoimentos de testemunhas mantidos em sigilo, de vítimas de extorsão para pagamento de propina, essa é só a ponta do iceberg.

A partir da repercussão do caso, da exoneração do então secretário Mário Henrique de Abreu e de outros dois funcionários da pasta, novas pessoas procuram a Justiça para relatar casos como o de venda de licenças ambientais e de funcionários fantasmas. Enquanto a investigação segue, uma fonte avisa: um esquema desse tamanho não deve ter ficado restrito a uma secretaria apenas e envolve outros órgãos da gestão tucana. Duas resoluções do governo Orlando Morando confirmam essas suspeitas. Há poucos dias, o prefeito cancelou todas as licenças ambientais emitidas desde 1º de janeiro deste ano pela secretaria comandada pela quadrilha.

O esquema de corrupção vai muito além da venda de cargos na SGA. Segundo o MP, a quadrilha instalada e comandada pelo ex-secretário Mário Henrique de Abreu, eleito vereador pelo PSDB, também negociava a liberação de multas, licenças ambientais, corte de árvores e até a madeira cortada.

Depois da conversa pelo WhatsApp, agora, foram divulgadas escutas telefônicas revelando valores (R$ 70 mil) cobrados para liberar obras embargadas. O dono de um terreno no Jardim das Oliveiras, por exemplo, foi autorizado a derrubar árvores. Os vizinhos estranharam, já que naquela área isso é proibido.

Para os promotores, o então secretário chefiava o esquema. Um dos indícios é a evolução de seu patrimônio. Mário de Abreu é sócio de uma transportadora de carga. No endereço, registrado na Junta Comercial, a sala indicada está fechada. Segundo os vizinhos, “sempre foi assim”.

O Ministério Público denunciou Mário Henrique de Abreu, apontado como chefe do esquema; Sérgio de Souza Lima, diretor de Licenciamento Ambiental; Tiago Alves Martinez, chefe de Fiscalização; Izaias Antonio de Araújo, servidor público que identificava locais onde seria possível cobrar propina; Simone Cristina de Lima Brito, irmã de Sérgio de Souza e secretária de um escritório de arquitetura da cidade; João Antônio Cambaúva, consultor imobiliário; e André Luiz Poletti, que vendia a madeira cortada. De acordo com o MP, todos foram denunciados por organização criminosa, corrupção passiva e concussão.

Carregar artigos semelhantes
Carregar mais em São Bernardo do Campo
Fechado para comentários

Veja também

Paralisação dos caminhoneiros é legítima. Entenda porquê

Tem ao menos seis anos que colaboro com um jornal de caminhoneiros e não me arrisquei a fa…