A Câmara de Santo André deve apreciar, na sessão desta quinta-feira (19), em segunda votação, a redução do número de cargos comissionados na Casa. Já aprovado em primeira votação na terça-feira (17), o corte de cargos de confiança é uma exigência do TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo), que determinou a exoneração de 105 funcionários.

O Legislativo tem, atualmente, 231 cargos comissionados, quadro desproporcional ao número de servidores concursados. Caso a determinação do TCE seja cumprida, esse número cairia para 126, uma queda de 45,45%. Ou seja, na média, cada parlamentar teria que reduzir de 11 para seis seu quadro de servidores.

O excesso de comissionados na Câmara também é alvo de indagações do MP-SP (Ministério Público de São Paulo), que cobra medidas que dão maior restrição às nomeações feitas por vereadores.

O presidente da Câmara, Almir Cicote (PSB), discorda da determinação do TCE e acredita que os parlamentares devem apresentar, nos próximos dias, emendas ao texto original prevendo corte menor nos gabinetes.

De acordo o texto original do projeto, cada vereador deverá ter um chefe de gabinete e um assessor, ambos com ensino superior e salários brutos de R$ 9.793,59.

Os outros cargos dizem respeito a assessores de relações parlamentares e de políticas públicas, que têm salários de R$ 7.611,42, também com exigência de nível graduação completa.

Há também contratações para assessores políticos e de relações comunitárias. Esses, com salários de R$ 2.767,98, precisam ter ensino médio ou curso técnico concluídos.

Segundo o vereador Rodolfo Donetti (PPS), antes de cortar cargos, é necessário se atentar a todos os requisitos exigidos pelo MP e pelo TCE. “Não se trata só de reduzir cargos. Mas vamos nos atentar ao que está sendo pedido antes e buscar se enquadrar neste outros requisitos. Por isso, estudamos acrescentar emendas ao projeto”, defendeu.

A vereadora Bete Siraque (PT) destacou que várias atitudes já vêm sendo tomadas, como a redução de dois cargos no ano passado. “Em 2008, foi aprovado na Casa o aumento de assessores (de nove para 13). De lá para cá, já estamos em uma regressiva de cargos. Mas ainda não finalizamos o debate. Eu penso que a diminuição de dois cargos equacione o problema. Considero algo em torno de nove cargos comissionados como razoável”, ponderou.

 

Carregar artigos semelhantes
Carregar mais em Política
Fechado para comentários

Veja também

TCE suspende, mais uma vez, licitação de Orlando Morando para coleta de lixo em São Bernardo

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) suspendeu, mais uma vez, a licitação do prefeito Orla…