Início Categorias Economia Interesses por trás do petróleo e do pré-sal

Interesses por trás do petróleo e do pré-sal

Comentários desativados em Interesses por trás do petróleo e do pré-sal
0
68,791

Texto para reflexão – Até 1953, a Inglaterra ficava com 90% do faturamento do petróleo do Irã. Depois de anos buscando um acordo mais justo, tipo 50%-50%, um político iraniano democraticamente eleito, Mohammed Mossadegh, nacionalizou a coisa toda. A Inglaterra pediu ajuda aos EUA usando as palavras mágicas “ameaça comunista”. De novo essa conversa mole. O Irã nacionaliza o petróleo iraniano e isso chega na City of London e Wall Street como “ameaça comunista”. Os dois aliados deram mais um golpe de Estado para a lista, colocaram um rei/ditador pilantra e sanguinário no poder, o Xá Reza Pahlevi, e mamaram petróleo barato direto do solo iraniano. Essa moleza só terminou quando o Aiatolá Khomeini passou o cerol em geral na Revolução Iraniana em 1979. Até então, os EUA eram um país admirado pelo Irã, só os britânicos tinham o filme queimado.

Processo parecido aconteceu na Indonésia. Quando o presidente Sukarno nacionalizou o petróleo, foi chamado de comunista, derrubado pela Holanda, França, EUA e Inglaterra, que colocaram um ditador chamado Suharto no poder e este, por sua vez, promoveu um genocídio de meio milhão de pessoas em poucos meses.

E só para lembrar, a Venezuela tem a maior reserva de petróleo do mundo. Daí vocês já imaginam quais são os interesses internacionais para com aquele país.

O recente  golpe parlamentar no Brasil,  patrocinado pelos Estados Unidos, teve também  como principal objetivo a usurpação do petróleo nacional, especialmente o petróleo  do pré-sal. Como desculpa, a corrupção e os comunistas do PT.

Então, da próxima vez, se pergunte: “Nossa, de onde vem essa raiva toda?”. Não é raiva, é apenas noção de que esses interesses econômicos se repetem. Lembrem-se disso e do pensamento do liberal Mises, que anda bastante em voga na cabeça dos brasileiros (menos Marx, mais Mises, lembra?), que dizia que a democracia popular é a maior ameaça ao capitalismo e que o fascismo salvou a civilização europeia.

E para manter uma nação submissa e colonizada, além de saquear suas riquezas, é necessário impedir o seu desenvolvimento intelectual e cultural. Veja o que está acontecendo no Brasil em no sistema educacional, especialmente com as Universidades e com os Institutos de Pesquisa.

Carregar artigos semelhantes
Carregar mais em Economia
Fechado para comentários

Veja também

Comissão especial retoma nesta quarta votação do projeto Escola sem Partido

No fim da tarde de ontem (20), foi suspensa a reunião da comissão especial da Câmara dos D…