“Só estamos aqui porque não temos condição de pagar aluguel. Essa ocupação é a nossa esperança de conseguir moradia.” A frase é de Maria Teresa Cristina dos Santos, 58 anos, moradora de São Bernardo há mais de 25 anos, mas traduz o desejo das mais de 7 mil pessoas que atualmente se aglomeram no local, agora denominado Ocupação Povo Sem Medo, do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

O terreno, desocupado há mais de 30 anos, de propriedade da construtora MZM, fica próximo à Scania e é rodeado por prédios residenciais, de um lado, e por casas da Vila Comunitária, do outro.

Líderes do movimento e centenas de famílias realizaram passeatas pela cidade e têm buscado o diálogo com o prefeito de São Bernardo do Campo, mas sem sucesso. O prefeito Orlando Morando (PSDB) se nega a receber os ocupantes para dialogar e auxiliar na busca de uma solução. Uma comissão chegou a ser recebida pelo secretário de Assuntos Jurídicos, José Carlos Pagliuca, que apenas reiterou a política de habitação do município.

Em 2014, a administração do então prefeito Luiz Marinho (PT) notificou a proprietária pelo não cumprimento de função social da propriedade e exigiu um plano de parcelamento da área, que nunca ocorreu. Após a ocupação do MTST, a construtora ingressou com pedido de reintegração de posse e conseguiu liminar concedida pelo juiz Fernando de Oliveira Ladeira autorizando a Polícia Militar a executar a ordem de despejo, mas a brigada jurídica da ocupação recorreu da decisão e conseguiu suspender temporariamente a decisão.

O desemprego também é uma das marcas entre milhares de famílias que estão na ocupação. Histórias que se confundem no dia a dia com a esperança e o sonho da casa própria.

“Tenho três filhos entre 4 e 9 anos. Estou sem emprego desde o fim do ano passado. Entre pagar aluguel e alimentar minha família, optei em levar comida pra casa. Me juntei a essa ocupação na esperança de conseguir uma casa”, diz José Francisco Lima, que aderiu ao movimento na segunda semana da ocupação.

Pela quantidade de pessoas na ocupação, ela já é considerada a segunda maior do País, atrás apenas da Vila Nova Palestina, na zona sul de São Paulo, que reúne 8 mil pessoas. Segundo os organizadores e lideranças da Ocupação Povo Sem Medo de São Bernardo, não deve ser permitida a entrada de novos moradores para que seja feita a organização das centenas de famílias atualmente no local.

Carregar artigos semelhantes
Carregar mais em Política
Fechado para comentários

Veja também

TCE suspende, mais uma vez, licitação de Orlando Morando para coleta de lixo em São Bernardo

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) suspendeu, mais uma vez, a licitação do prefeito Orla…